Como evitar carrapato em cachorro? 4 soluções possíveis!

Entre tantas doenças que acometem os cachorros, a doença do carrapato é uma das mais perigosas para o animalzinho. A transmissão que acontece por meio da mordida do parasita infectado causa uma série de prejuízos às células sanguíneas, podendo ser fatal se não for tratada a tempo.

Essa doença que começa com “coça aqui, coça ali” tem solução! No post de hoje vamos trazer informações para te ajudar a identificar e dicas de como evitar carrapato no cachorro que tanto ama. Acompanhe a leitura!

Mas afinal, como o cachorro pega carrapato?

A doença do carrapato acontece pela transmissão de bactérias e protozoários, tendo como portador o “carrapato canino marrom”. Quando esse parasita infectado morde um cão saudável, ele transmite por meio de transfusão sanguínea os seguintes microrganismos: Erliquiose e Babesiose, responsáveis por paralisar diferentes células do cachorro.

  • Erliquiose: causada pela bactéria Ehrlichia Canis, essa doença ataca e destrói as plaquetas, podendo causar hemorragias, sangramento nasal e apatia.
  • Babesiose: é provocada por um protozoário. Essa doença consegue destruir as hemácias (células vermelhas do sangue), e causar anemia, apatia, cansaço, prostração e mucosas pálidas.

Apesar de ser o mesmo agente transmissor, as duas doenças apresentam sintomas clínicos diferentes. Para identificar qual das duas doenças o seu pet foi acometido, é necessário realizar exames laboratoriais para iniciar o tratamento adequado.

cachorrinho de pelagem dourada de costas recebendo um remédio de gotas na pele

Quais os sintomas da doença de carrapato?

Os sintomas da doença do carrapato vai depender de alguns aspectos como raça do cãozinho, idade, doenças concomitantes, alimentação e a capacidade do vírus infectante. Após a mordida, o vírus passa pela fase de incubação que dura de 8 a 20 dias. Posteriormente inicia-se as três fases da doença e cada uma delas apresentam sintomas diferentes:

  • Fase aguda: nesta fase os sintomas clínicos são febre, sangramento no nariz e na urina, corrimento nos olhos, uveíte anterior e depressão.
  • Fase subclínica: anemia, diminuição dos glóbulos brancos e plaquetas, perda de apetite, palidez na mucosa, edemas nos membros e depressão.
  • Fase crônica: perda de peso, apatia, tremores, tosse, conjuntivite, uveíte, vômito, hemorragias, problemas de pele e depressão. Além disso, pode ocorrer aumento do baço, do fígado e do linfonodos, fraqueza e paralisia dos membros.

A fase subclínica pode ser a mais crucial, afinal, ela pode perdurar por até 5 anos. Os cães com sistema imunológico mais forte conseguem eliminar o vírus ainda nessa fase. Por outro lado, os pets com sistema imunológico mais debilitado podem ir a óbito.

Como é o tratamento da doença do carrapato?

A boa notícia é que a doença do carrapato tem cura, mas quanto antes identificar, melhor! Quando tratado no início da doença, as chances de apresentar melhoras nas primeiras 24 horas são maiores. Por outro lado, os cães diagnosticados na fase crônica podem ter poucas chances de responder aos antibióticos devido ao avanço da doença.

Por conta da pluralidade de sintomas, é indispensável exames clínicos e laboratoriais para o diagnóstico da doença do carrapato. Em média, o tratamento dura de 3 a 4 semanas para cães em fase aguda e 8 semanas para o animal já em fase crônica.

A prevenção depende da atenção dos tutores e do cuidado com a exposição do cãozinho aos carrapatos. Essa espécie de carrapato que acomete os animais domésticos está presente em praticamente todas as áreas urbanas. Por isso, é fundamental ficar de olho nos sintomas da doença para prevenir

Como evitar a doença do carrapato: 4 ideias eficientes

O controle de carrapato em cães depende do cuidado contínuo do tutor. A maioria da população de carrapatos está no ambiente e seu ciclo de vida (ovos, larvas e ninfas) precisa ser interrompido antes de se tornar uma infestação.

mão humana com uma luva de plástico branca segurando um carrapato retirado do cachorrinho que aparece ao fundo da imagem

Geralmente, eles se escondem em locais altos, como sofás, cortinas, tapetes e armários. Locais comuns onde os pets costumam passar a maior parte do tempo. Por isso, o local deve ser monitorado e higienizado com frequência. Confira na sequência algumas maneiras de evitar a tão temida doença do carrapato:

1 – Examine regularmente o seu cachorro

Examinar o seu companheiro de quatro patas cuidadosamente e com frequência é fundamental para evitar a doença. Faça uma inspeção minuciosa na pelagem, observe o corpo todo – da calda até o focinho. Preste atenção na virilha, na parte interna das orelhas, nas patas e entre os dedos, essas regiões são as mais comuns para os carrapatos se esconderem.

Chihuahua marrom e branco com a cabeça sendo segurada delicadamente por duas mãos enquanto é inspecionado em busca de carrapatos

Aliás, sempre que for passear, uma boa ideia é examinar o seu cachorro quando chegar em casa e certifica-se se tem algum carrapato agarradinho nele. Caso encontre o parasita, não se desespere! Remova o parasita com cuidado e se sentir dificuldade, procure auxílio de um veterinário.

2 – Proteja o ambiente com produtos específicos

Muita gente não sabe, mas produtos de limpeza comuns não eliminam os carrapatos. Por isso, ao notar a presença deste parasita, o mais indicado é fazer uma dedetização do ambiente com produtos específicos para o controle de carrapatos – carrapaticidas. Fique atento aos móveis e tenha um controle rigoroso, afinal, frestas são ótimos esconderijos.

3 – Escolha um método de prevenção adequado

Além de manter o ambiente protegido, existem produtos específicos que são capazes de matar o carrapato quando entram em contato com o cachorro.

Além de medicamentos orais que são ativados na corrente sanguínea, no mercado você encontra produtos tópicos que agem por contato, ou seja, o parasita não precisa necessariamente morder o pet, o contato na pele já causa o efeito desejado. Confira abaixo os métodos de prevenção mais recomendados pelos médicos veterinários:

  • Spray antipulgas;
  • Coleiras antipulgas;
  • Pipetas antipulgas;
  • Medicamentos orais.

Antes de prevenir o seu cachorro com algum método de combate aos parasitas, verifique a quantidade indicada conforme o peso do seu bichano – doses maiores podem intoxicar e inferiores é ineficaz. Consulte um profissional qualificado e proteja o seu animalzinho.

4 – Evite locais com carrapatos

Caso seja possível, evite passear com o seu peludo em áreas com maiores chances de ter carrapatos. Para não colocá-lo em risco, escolha bem o pet shop e hotel que ele frequenta. Dê preferência, escolha estabelecimentos com controle de carrapatos em cães por meio de programas preventivos de inspeção por carrapatos.

Essas são as formas mais eficazes de tratar e prevenir essa doença que acomete nossos animais de estimação, afinal, ainda não existe vacina para cães contra carrapatos.

Agora que você já sabe como evitar carrapato no cachorro e também aprendeu que essa doença pode tirar a vida do seu companheiro, exclua completamente todas as condições favoráveis para esse parasita e garanta o bem-estar do seu pet com as dicas do blog Líder da Matilha.

Por hoje ficamos por aqui, mas continue acompanhando nossa página e encontre um universo de informações e curiosidades sobre saúde e bem-estar animal. Aproveite e confira o post sobre cinomose canina e entenda como tratar essa doença com o nosso guia completo. Até lá!

Deixe um comentário