Ansiedade de separação canina e o retorno ao presencial: o que fazer?

Depois de um longo período em home office é chegado o momento de retornar ao presencial. A adaptação ao novo normal é algo que todos nós estamos tentando superar, contudo, para quem é tutor de pet, essa pode ser uma tarefa ainda mais difícil.

No período de reclusão da COVID-19, nosso amigão passou todo o período de trabalho ao nosso lado, mas agora é forçado a retornar para a rotina solitária, o que pode causar um estranhamento, ansiedade e até mesmo depressão canina.

Cachorro em janela com olhar solitário

Todos esses comportamentos possuem nome: ansiedade de separação canina! Mas não se preocupe, hoje vamos debater e oferecer possíveis soluções ao sofrimento do seu cãozinho.

Vem com a gente na sequência e confira:

O que é a ansiedade de separação canina?

Conhecido como uma perturbação de vínculo afetivo, a ansiedade de separação canina ocorre quando os pets possuem um forte apego a seus tutores. No período pandêmico isso tem se agravado, já que os animais passaram grande parte do tempo em companhia e agora precisam voltar a rotina.

Esse afastamento pode gerar vícios de comportamento, como girar atrás do próprio rabo, micção em locais inapropriados, recusa à alimentação e, inclusive, a destruição de objetos. Então, se o cão assumiu “outra personalidade” após seu retorno ao presencial e adotou atitudes como essas, provavelmente ele está passando por um período de ansiedade de separação.

Cachorro nervoso rasgando travesseiro

Apesar de ser um momento de sofrimento, tanto para os pets quanto para os tutores, existem maneiras de proporcionar uma adaptação mais saudável ao seu amigão, ao mesmo tempo em que você permanece um pouco mais tranquilo. Para isso, é necessário adotar algumas atitudes que fazer a diferença. Vamos conhecê-las?

Como tratar ansiedade de separação do cachorro?

Trabalhar em casa teve os seus desafios, não é mesmo? Barulhos enquanto havia uma ligação, adaptação de algum ambiente da casa e da nova rotina. Mas, dentre todas as preocupações, é no retorno ao presencial que os tutores de pet ficam muito mais preocupados.

Quem possui um peludinho sabe muito bem como eles gostam de nos seguir o tempo todo, e no home office isso ficou ainda mais intenso. Seja em uma ida rápida ao banheiro ou no momento do cafezinho, lá está ele ao nosso lado, não é mesmo? E aí que a mudança precisa começar ocorrer.

1. Exercite o comando “fica” com o seu amigo

O primeiro passo é ensinar à eles o comando “fica” quando saímos de um ambiente. E você pode estar pensando “ah, mas quem disse que ele vai obedecer quando dermos o comando?”. A questão, nesse caso, é exercitar esse tipo de atitude, pois será extremamente importante mostrar para ele a necessidade do afastamento e também do retorno.

Cachorro recebendo comando "fica"

Essa é uma maneira de educar o seu cão, para que ele consiga compreender a sua nova rotina. Desse modo, é possível moldar o comportamento do seu amigo de quatro patas para que ele aprenda a conviver algumas horas sozinho sem tanto sofrimento.

2. Passeie com o peludinho sempre que possível

Sempre que possível, antes de deixar seu pet sozinho, leve-o para um passeio bem gostoso, durante o percurso o cachorro tem a oportunidade de conviver com outros cães e pessoas, além de poder farejar bastante, ouvir sons diversos e realizar um conjunto de atividades que entretém e ajuda a gastar energia. Essa é uma oportunidade de acalmá-los, especialmente quando ficam sozinho em casa.

Homem e mulher passeando com cachorro

3. Invista em atividades para distraí-lo

Outra coisa muito importante ao deixar nosso amigo peludo em casa, é proporcionar atividades divertidas para ele fazer enquanto você sai para trabalhar. Pense comigo, nós assistimos TV, lemos livros, usamos redes sociais, e o cãozinho só dorme! Isso está certo?

Os cães também gostam de se distrair e oferecer brinquedos de enriquecimento ambiental. Acredite, essa é uma maneira de amenizar a falta de companhia dos tutores. Já pensou em deixar o rádio ligado? O som de música ou da TV é um barulho conhecido, que oferece mais um conforto quando ele precisar ficar sozinho.

4. Proporcione brincadeiras relaxantes

Hoje em dia o mercado pet tem uma gama enorme de brinquedos interativos para o seu amigo brincar, mas você também pode criar algumas alternativas. Sabia que uma garrafa pet vazia pode se transformar em um comedouro? Lave bem a garrafa, retire o rótulo e seque a garrafa.

Depois, com o auxilio de uma tesoura, faça mais ou menos 5 furinhos ao longo da garrafa e coloque ração ou algum petisco dentro. Além de ser uma maneira de incentivar a alimentação, você também está proporcionando diversão. Mas, caso seu amigo seja bastante agitado e goste de morder, para não correr risco com a tampa da garrafa, retire-a e coloque algum pedaço de biscoito ou fruta onde ela ficaria – outra opção de guloseima para ele!

5. Busque ajuda especializada

Outra alternativa muito legal para distrair seu cão enquanto você trabalha, são as creches e Day Care especializadas em cuidados caninos. Lá ele terá companhia o tempo todo, seja de amigos humanos ou de amigos caninos. Além disso, esses espaços possuem um planejamento voltado para brincadeiras, alimentação e passeios, uma ótima forma de inseri-lo em uma rotina saudável.

Adestradora ensinando comandos para cachorros

Contudo, se mesmo assim seu peludo não ficar confortável enquanto você precisa se ausentar, conte com o auxílio de um profissional de comportamento e um médico veterinário. Esses profissionais irão saber qual é o tratamento ideal para tranquilizar o seu cãozinho.

E então, o que achou das nossas dicas? Esse período de adaptação não é fácil, especialmente porque ficamos com o coração “na mão” ao nos deparar com o nossos pets sofrendo pela ausência de companhia. Mas tenha em mente que isso é importante para moldar a personalidade do seu aumigo e deixá-lo calmo sem ninguém ao lado.

Por hoje é só. Espero que tenha curtido o post e até outro conteúdo!

Deixe um comentário