Cinomose: o que é e quais são os sintomas?

O amor que temos pelos nossos amigos peludos precisa ir além de carinhos e brincadeiras, que fazemos quando somos tão bem recebidos por eles ao chegarmos em casa. Buscar informações sobre doenças caninas graves e altamente transmissíveis, como a cinomose, é uma excelente maneira de prezar pela qualidade de vida do seu cãozinho e se tornar um tutor de pet mais responsável!

Tendo em mente que a prevenção contra a cinomose canina pode ser feita com ações rápidas e eficazes ao longo da vida do cachorro, o blog da Líder da Matilha reuniu informações precisas para te deixar a par sobre a doença que apresenta um número elevado na taxa de mortalidade dos cães que pegaram cinomose: até 85% dos adoentados não resistem aos sintomas da cinomose canina.

Um dado alarmante, não é mesmo? Mas, não se preocupe! Ao término da sua leitura de hoje, todas as suas dúvidas sobre o que é cinomose, seus sintomas e os métodos de prevenção e tratamento para cinomose serão solucionadas com o conteúdo completo que preparamos para você. Confira a seguir!

O que é cinomose?

A cinomose em cachorros é uma doença provocada pelo vírus Canine Distemper Virus (CDV), traduzida como “Vírus da Esgana Canina” em português. Os cachorros mais suscetíveis a essa doença são aqueles com baixa imunidade, como filhotes e idosos, além daqueles que não receberam as vacinas anuais que ajudam o organismo do pet a combater o desenvolvimento da cinomose.

Importante ressaltar que a cinomose não contamina gatos nem humanos. Contudo, nós podemos contribuir para a transmissão do vírus se entrar em contato com um cachorro doente e depois ir para um local ocupado por cães saudáveis.

Por ser altamente contagiosa, a cinomose exige uma atenção redobrada ao estado de saúde do cachorro. Seus sintomas podem se expressar de diferentes formas, evoluindo da fase inicial para a grave mais rapidamente do que se possa pensar!

Logo, caso o seu cãozinho apresente alterações na pele, nas mucosas do nariz e olhos ou crises de espasmos musculares, é hora de levá-lo ao veterinário rapidamente para o correto diagnóstico!

Como a cinomose canina é transmitida?

A transmissão da cinomose pode ocorrer de várias maneiras. Além da contaminação pelo ar, o vírus pode ser passado de um animal para o outro pelo contato com secreções, fezes e urinas dos cachorros doentes e uso de acessórios compartilhados como potes de ração, água, cobertores e caminhas de dormir.

Caso você tenha mais de um cachorro em casa, e um deles seja diagnosticado com cinomose, é importante isolá-los para não correr risco de transmissão entre eles!

Lembrando que o vírus consegue sobreviver no ambiente por até 3 meses, principalmente se o lugar estiver frio e seco. A notícia boa é que uma limpeza frequente é uma ótima solução para acabar com a presença do vírus da cinomose! Utilizando o seu desinfetante preferido, você consegue higienizar bem o ambiente e evitar que seu cãozinho se contamine desta forma.

Quais os sintomas da cinomose?

A partir do momento em que o organismo do cachorro é contaminado pelo vírus da cinomose, a doença passa a apresentar sintomas progressivamente. Apesar de cada caso ocorrer de modo diferente, afinal nenhum organismo canino é igual ao outro, os sintomas da cinomose canina aparecem entre o 7º e o 14º dia após a contaminação.

Pelo fato dos sinais da doença se manifestarem aos poucos, a medicina veterinária os classifica em 3 fases principais. Porém, nem todo cachorro necessariamente apresenta os sintomas nesta sequência de quadros clínicos. São elas:

Primeira Fase da Cinomose

O sistema digestivo do cachorro é um dos primeiros a sofrer com a manifestação do vírus. Além de vômito e diarreia, o cãozinho também pode apresentar falta de apetite e febre. Em sua pele, é comum aparecer bolinhas com pus no focinho, abdômen e nas patinhas do seu amigo peludo.

Segunda Fase da Cinomose

O quadro respiratório é o próximo sistema a ser afetado pela doença, em que a tosse, a pneumonia e a presença de secreções amareladas no nariz e nos olhos passam a ser frequentes no dia a dia do cachorro.

Terceira Fase da Cinomose

Conhecida como a etapa mais crítica da doença, a terceira fase compreende o ataque do vírus ao sistema nervoso central canino. O cãozinho passa a mostrar sinais de desorientação, dificuldades com a coordenação motora, tremores musculares pelo corpo que culminam em crises de convulsão.

A cinomose canina tem cura?

A cinomose em cachorro não tem cura, infelizmente! Até o momento, os avanços farmacológicos ainda não foram o suficiente para criar medicamentos que acabem com o vírus no organismo canino. Porém, saiba que há tratamentos chamados de suporte que tratam os sintomas apresentados e fortalecem a saúde do seu pet!

Portanto, vamos combinar que a primeira coisa a ser feita caso seu cachorro demonstre algum dos sinais que citamos no tópico anterior será levá-lo ao veterinário! Na clínica, o profissional será capaz de diagnosticar por meio de exames de laboratório e de imagens para confirmar a cinomose canina e dar início ao tratamento que dará mais qualidade de vida ao seu pet enquanto seu corpo resiste à doença.

Quais são os tratamentos para a cinomose em cachorro?

A indicação do melhor remédio para cinomose dependerá dos sintomas que o cachorro apresentar. É provável que a avaliação médica veterinária recomende uma alimentação saudável, ambiente com temperatura agradável para o pet e a administração de medicamentos e cuidados que contribuirão para deixar o sistema imunológico canino mais forte!

Infelizmente, as infecções secundárias que surgem devido à manifestação do vírus da cinomose podem levar o cãozinho ao óbito. Para ajudar o seu pet na luta contra a cinomose, as orientações medicamentosas geralmente contemplam o uso de antibiótico e antipirético para dar conta dos malefícios que a doença causa no funcionamento digestivo e respiratório do corpo canino, por exemplo.

Quanto à ação de garantir a correta hidratação do seu cão, que estará comprometida pela diarreia, a aplicação de soro é uma boa técnica de auxílio. Além disso, anticonvulsivantes, suplementos nutricionais e terapias alternativas, como acupuntura para cães, estimulam a resposta imunológica e auxiliam no controle das crises convulsivas que o sistema nervoso afetado provoca.

A cinomose deixa sequelas no cachorro?

Quando a doença atinge o quadro clínico mais crítico, comprometendo o seu sistema nervoso, o cão passará a conviver com sequelas graves em seu corpo até o final da vida. Tremores nos músculos e convulsões geralmente são as sequelas mais comuns nesses casos.

Com a evolução dos tratamentos veterinários, hoje em dia há uma série de exercícios de fisioterapia e sessões de acupuntura que tornam a vivência do pet mais confortável para ele.

O que fazer para prevenir a cinomose em cães?

Atentar-se à vacinação do seu pet é imprescindível quando falamos em prevenção contra doenças caninas e a cinomose não escapa a esta regra! A partir do 45º dia de vida, o filhote estará apto a tomar as 3 doses da vacina polivalente com 20 dias de intervalo entre elas, pelo menos.

Enquanto você aguarda o tempo entre as datas de vacinação, pratique também as outras formas de precaução como evitar passeios com seu cachorro em parques, hotéis para cães e demais locais de aglomeração de animais.

Outro cuidado importante é manter limpo o local em que seu amigo de quatro patas costuma ficar em casa e, caso você entre em contato com outros cães que estejam doentes, troque de roupa e sapato assim que chegar em casa.

Após a terceira dose da vacinação, lembre-se de que será necessário levar seu animalzinho para tomar a vacina múltipla – V8, V10, V11 ou V12 – uma vez ao ano. O intuito é reforçar a proteção imunológica do cachorro constantemente. Basta levar em uma clínica veterinária reconhecida para que um profissional capacitado aplique a injeção.

Seguindo as dicas que abordamos hoje sobre os cuidados preventivos contra a cinomose, pode apostar que o seu amigo peludo terá uma vida mais segura e feliz!

Para te ajudar a garantir o bem-estar do seu cachorro nos demais aspectos, continue acompanhando o blog da Líder da Matilha. Nos comprometemos a publicar conteúdos relevantes para os tutores de pet que buscam sempre o melhor para seus filhos de quatro patas.

Aproveite!

Deixe um comentário